Campinas recebe amanhã debate sobre como melhorar a vida nas cidades

Na maioria das cidades mundo afora, as infraestruturas que as fazem funcionar convergem para o centro. Em contraste à vitalidade gerada por tais concentrações, territórios periféricos são formados cada vez mais distantes das regiões centrais, tendo como traços marcantes a vulnerabilidade social e a falta de acesso aos serviços urbanos.

Diante desse cenário, ganha força a ideia de “novas centralidades”, motores de desenvolvimento tecnológico, social, ambiental e econômico capazes de dar corpo a um tecido urbano mais equilibrado, dinâmico e inclusivo. Quais os mecanismos, sistemas, formas e atores que tornarão essas novas centralidades uma realidade? Essa é uma questão, dentro de uma constelação de outras indagações, que precisaremos discutir publicamente para construirmos o futuro de nossas cidades.

Para discutir esse tema incontornável da atualidade, o Arq.Futuro, com patrocínio da Iguatemi S.A., promoverá nesta terça-feira, dia 9 de abril, em Campinas, o evento “Novas Centralidades Urbanas”, com foco nas tendências do urbanismo e nas tecnologias que vêm sendo empregadas na contramão do desenho excludente que predomina no planejamento das cidades contemporâneas.

A programação acontecerá no Teatro Oficina do Estudante Iguatemi e contará com a participação de especialistas – do meio acadêmico, dos setores público e privado e também do terceiro setor – em palestras e debates abertos e gratuitos e em um workshop privado. 

Casos e palestrantes

“As experiências com novas centralidades evidenciam como o uso misto (residencial e não residencial), a mobilidade bem planejada, a eficiente gestão da água e dos resíduos e a criação de espaços públicos de qualidade têm o potencial de viabilizar a integração exitosa entre morar, trabalhar e se divertir em um único bairro. A prática demonstra que a “inclusão social” deve ser a premissa básica de todo planejamento que vise, de fato, a melhoria da vida do cidadão”, explica Tomas Alvim, cofundador do Arq. Futuro e um dos organizadores do seminário.

No evento no Teatro Oficina do Estudante, serão apresentados três casos que ilustram o acerto desse tipo de visão urbanística, um internacional e dois nacionais: London King’s Cross (Inglaterra), Pedra Branca (Santa Catarina) e Casa Figueira (Campinas).

Carlos Jereissati

O seminário acontecerá das 10h às 17h20, tendo como palestrantes Joshua Prince-Ramus, diretor fundador do REX, premiado escritório de arquitetura baseado em Nova York, Estados Unidos, Alejandro Echeverri, um dos arquitetos de peso do Urbanismo Social de Medellín, na Colômbia, Nadia Somekh, professora emérita da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo Mackenzie, conselheira do Iphan (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional) e ex-presidente do Conselho de Arquitetura e Urbanismo Brasil, Marcelo Gomes, CEO da Pedra Branca Empreendimentos S.A, de Palhoça, Santa Catarina, e Carlos Jereissati, conselheiro da Iguatemi S.A (programação detalhada abaixo).

Alejandro Echeverri

A agenda terá ainda a participação do prefeito de Campinas, Dário Saadi, e terá como mediadores Maria Rita Silveira de Paula Amoroso, da Unicamp, Felipe Cavalcante, do Somos Cidade, Vera Santana Luz, da FAU PUC Campinas, e Robinson Borges, do jornal Valor Econômico.

As inscrições já foram encerradas devido ao término das vagas disponíveis, mas os interessados em participar ainda podem enviar os dados para entrar na fila de espera, pelo e-mail arq.futuro@nineoclock.com.br. Caso haja possibilidade de participação, a organização do evento entrará em contato com os interessados para que compareçam amanhã.

Programação
Manhã

9h – 10h – Credenciamento
10h – 10h30 – Abertura: Dário Saadi, prefeito de Campinas; Tomas Alvim, cofundador do Arq. Futuro; Carlos Jereissati, conselheiro da Iguatemi S.A
10h30 –11h15 – Palestra principal 1: Joshua Prince Ramus (REX)
11h15 – 12h – Conversa com Joshua Prince Ramus (REX), Maria Rita Silveira de Paula Amoroso (Unicamp) e Felipe Cavalcante (Somos Cidade)
12h – 13h20 – Pausa para o almoço
Tarde
13h30 – 14h15 – Palestra principal 2: Alejandro Echeverri
14h15 – 15h – Conversa com Alejandro Echeverri, Vera Santana Luz (FAU/ PUC Campinas) e Tomas Alvim (cofundador do Arq. Futuro).
15h – 16h10 – Novas centralidades:  Estudos de caso com Nadia Somekh ( London King’s Cross, Londres); Marcelo Gomes ( Pedra Branca, Palhoça, SC); Carlos Jereissati (Casa Figueira, Campinas, SP)
16h10 – 17h10 – Conversa com Nadia Somekh, Marcelo Gomes e Carlos Jereissati.  Mediação de Robinson Borges e Tomas Alvim.
17h10 – 17h20 – Fechamento: Tomas Alvim (cofundador do Arq. Futuro)

Serviço
Seminário “Novas Centralidades Urbanas”
Quando: dia 9 de abril, terça-feira, das 9h às 17h20
Onde: Teatro Oficina do Estudante, localizado no terceiro piso do Shopping Iguatemi Campinas (Av. Iguatemi, 777, Vila Brandina, Campinas, SP).  Acesso pelo P5 do Deck Parking
Inscrições: já encerradas; os interessados em participar ainda podem enviar os dados para entrar na fila de espera do evento, por meio do e-mail arq.futuro@nineoclock.com.br. Caso haja possibilidade de participação, a organização entrará em contato com os interessados para que compareçam amanhã.

Arq. Futuro

Criado em 2011, o Arq. Futuro é uma plataforma brasileira para discutir o futuro das cidades. Ao longo dos últimos anos, foram convidados pensadores proeminentes nos campos de Design, Arquitetura, Urbanismo, Economia, Saúde pública, entre outros setores, para trocar ideias sobre os caminhos coletivos em direção a espaços urbanos mais equitativos, inclusivos, ecológicos, inovadores e belos. Entre os convidados, estiveram nomes como Zaha Hadid, Herzog & DeMeuron, Shigero Ban, Edward Glaeser, Alejandro Aravena, Paul Goldberger e outros 60 pensadores ilustres.

Uma parceria firmada em 2019 com o Insper resultou no Laboratório Arq. Futuro de Cidades. Estruturado em núcleos temáticos, o Laboratório tem na interdisciplinaridade e na inovação a orientação para o ensino e a pesquisa sobre os desafios do desenvolvimento urbano, com a missão de contribuir para o impacto real na vida de sua população.

Atualmente, cerca de 85% dos habitantes do Brasil moram em cidades – e quase um quarto deles em situação de pobreza. É preciso não apenas “enxergar” esse grupo quase sempre invisibilizado; é fundamental “ouvi-lo” também. Só o esforço conjunto entre poder público e privado, academia, terceiro setor e lideranças comunitárias será capaz de tornar as cidades brasileiras desenvolvidas, justas, inclusivas e sustentáveis.

 

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima